No dia 11 de dezembro

Enviado em 9 de dezembro de 2016 | | Escrito por Orson Peter Carrara | Publicado por ffeal
Categorias: Sem categoria

Uma das curiosidades práticas facilitadas pela Internet é buscar eventos históricos ou comemorativos em cada dia do ano, ampliando-se com informações de nascimentos, falecimentos de personalidades conhecidas, fatos da história e mesmo alguns eventos relacionados com a data em pesquisa. Sugiro ao leitor colocar uma data escolhida nos portais de pesquisa para deparar-se com vasta informação.

O dia 11 dezembro, por exemplo, é o dia de nascimento da conhecida atriz Elisângela e também de falecimento do ator Carlos Zara; também é o Dia do Tango, na Argentina. No mesmo dia, em 1792, é iniciado o julgamento do rei deposto da França, Luis XVI, que é condenado por alta traição e guilhotinado; mas também é o dia da assinatura do Protocolo de Quioto (1997) e do Plebiscito sobre a divisão do estado do Pará (2011), que não foi aprovada. Mas não é só, pois são muitos os fatos que podem ser pesquisados pelo leitor, como em qualquer outra data. Mas a motivação principal da abordagem está mesmo num fato muito significativo também comemorado no dia 11 de dezembro, entre outros. Trata-se do Dia Nacional das Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAEs).

Pela máxima importância desse órgão, de expressão nacional e reconhecidamente uma instituição com bases não só na área da saúde, mas com alta feição social e cristã – pelo dever moral que cabe à sociedade junto às dificuldades humanas – destaca-se pelo pioneirismo. Historicamente, é órgão nascido no Rio de Janeiro em 11 de dezembro de 1954, por ocasião da chegada ao Brasil de Beatrice Bemis, procedente dos Estados Unidos, membro do corpo diplomático norte-americano e mãe de uma portadora de Síndrome de Down. Motivados por aquela cidadã, um grupo, congregando pais, amigos, professores e médicos de excepcionais, fundou a primeira Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais do Brasil.

A primeira reunião do Conselho Deliberativo ocorreu em março de 1955 na sede da Sociedade Pestalozzi do Brasil. Esta colocou a disposição, parte de um prédio, para que instalassem uma escola para crianças excepcionais, conforme desejo do professor La Fayette Cortes. De 1954 a 1962, surgiram outras APAEs. Pela primeira vez no Brasil discutia-se a questão da pessoa portadora de deficiência com um grupo de famílias que trazia para o movimento suas experiências como pais de deficientes e, em alguns casos, também como técnicos na área.

Para uma melhor articulação de suas ideias, sentiram a necessidade de criar um organismo nacional. Criou-se então a Federação Nacional das APAEs. Em 1964 o Presidente Castelo Branco apoiou a iniciativa para a aquisição de um prédio. Com a aquisição da sede própria a Federação foi transferida para Brasília. Adotou-se como símbolo a figura de uma flor ladeada por duas mãos em perfil, uma em posição de amparo e a outra de proteção. A Federação, a exemplo de uma APAE, se caracteriza por ser uma sociedade civil, filantrópica, de caráter cultural, assistencial e educacional com duração indeterminada, congregando como filiadas as APAEs e outras entidades congêneres, tendo sede e fórum em Brasília.

Com a presente síntese histórica, extraída por conhecido portal wikipédia.org homenageamos a importante instituição que se distribui por todo Brasil, com sua excelência de serviços, experiências e desdobramentos que se acumulam ao longo do tempo. O próprio progresso da mentalidade humana alterou a expressão excepcional para especial, o que denota o respeito às diferenças, sem discriminar.

Sua feição cristã, de amor ao semelhante – sem se importar com sua condição – e de alto cunho sócio-educativo, mas também cultural e assistencial, é digna do maior respeito, consideração e gratidão pela sociedade brasileira. Fica nosso registro e cumprimentos aos profissionais que atuam nos serviços prestados e às abnegadas diretorias que se destacam pela dedicação e desprendimento em tais ações.

Mas o dia 11 de dezembro também tem um significado especial ao meu coração. Casei-me com Neuza, há 34 anos, em 1982. E com um detalhe: ela também nasceu no dia 11 de dezembro! Da convivência sempre amiga e harmoniosa vieram os três filhos e depois os dois netos: Amanda (em 2013) e Leonardo (em 2015). O casamento é uma experiência enriquecedora, de intensos aprendizados, especialmente quando se convive com alguém cujas virtudes estou distante de possuir. Um dia muito especial, pois! Afinal, 34 anos são 34 anos!

Deixe seu comentário: